Um fato muito esquecido pelo povo que fez os “Chuck Norris Facts” é o de que molta cosa que os protagonistas de filmes de ação fazem em seus filmes, o Chuck fez antes. E não sou eu quem parlo! É o ragazzo do Filmes para doidos. Antes de Stallone ser um caminhoneiro que disputa braço-de-ferro com um careconne, Chuck Norris já tinha feito a mesma coisa em “Comboio de Carga Pesada”. Antes do mesmo Stallone resgatar americanos no Vietnã em “Rambo 2”, Chuck Norris já tinha feito isso em “Braddock”. Antes de Van Damme usar mullet em “O Alvo” e “Timecop” Chuck Norris usou em “Hitman – Disfarce Perigoso”.  E antes de Schwarzenegger ser o homem dos sonhos de um bambino em “O Último Grande Herói”, Chuck Norris já tinha assumido esse posto neste “Unidos para Vencer”. Contudo Chuck foi o último a passar por um processo que atingiu todos esses grandalhões, mas que nele teve ação mais efetiva e duradoura: a “didimocozação” (proj. @chicobarney)

O que é a “didimocozação”?


Quem poderia esclarecer melhor o significado do termo é o seu divulgador, Chico Barney, mas eu vou tentar exemplificar com imagens o que eu quero dizer:

Entenderam? Avacalhação que subestime a intelligenza do espectador. Humor de extintor de incêndio. Infelizmente foi esse o caminho tomado por esta película, que já que não custou nem 10% do orçamento de “Último Grande Herói” que compensasse isso com um roteiro tão inteligente quanto ou mais.

Ô da poltrona! É caflito? É caflito?

“História sem fim + Retroceder Nunca… Render-se Jamais + Último Grande Herói”

Para quem não lembra da trama do filme, vai aí uno refresco: Barry, asmático (Johnatan Brandis, que já tinha feito papel de bambino sonhador em “História Sem Fim 2” e se suicidou uns 11 anos depois desse “Unidos…”) sonha acordado e em  todos os sonhos há a presença do Chuck Norris (non vão pensar besteira! O bambino é eterosessuale e isso será provado a seguir). Como é de se imaginar ele sofre muito BULE (é assim que escreve?) por causa disso e só conta com a solidariedade da professora orientale de história (Julia Nickson Soul, a vietnamita de “Rambo II”, que na vida real era casada com o treinador maluco do Dolph Lundgren em “Pentathlon”) e da colega Lauren (Danica McKellar ou melhor Winnie Cooper de “Anos Incríveis”, seu eterno papel, como veron a seguir)

 

 O pai do bambino então (Beau Bridges, o irmão menos talentoso de Jeff Bridges), que é o típico pai idiota de filmes de artes marciais (ver “Retroceder Nunca…Render-se Jamais”) tenta matriculá-lo em uma escola de karatê, mas non simpatizam com o instrutor arrogante e violento (estilo o John Kreese de “Karate Kid”), fora o fato de que lá treina justamente o cara que mais invoca com o bambino asmático (juntaram todos os clichês num filme só! Dio mio!). Quem acaba treinando o é um vecchio orientale (Mako, que está soberbo nesse filme), dono de ristorante, que non parece entender de artes marciais (CÁSPITA! Copiaram o roteiro de “Karate Kid” na cara dura!)

 

 
Depois de aprender a se defender, Barry bate no valentonne do colégio e consegue o respeito dos demais colegas (incluindo a Winnie Cooper) e do professor de Educação Física metido a general (CLICHÊZOMETRO APITANDO!). Então é desafiado para um torneio de karatê (Não era mais fácil refilmar “Karate Kid”?) pelo brigonne.

Chegando lá no torneio, o bambino non pode inscrever sua equipe porque precisam ter um mínimo de 4 integrantes. Eis que a bondosa professora de história tem a brilhante idéia de convidar Chuck Norris, que tava lá só fazendo uma visitinha e tal (Não sei o que ela prometeu para ele) para integrar a equipe. Dá para acreditar? Eles não tinham um dojo, não tinham uniforme, não tinham nome (usaram o infame nome do restaurante do vecchio “The Frying Dragon”, um trocadilho que quer dizer: “O Dragão Cozinheiro”) e agora tem o Chuck Norris! É como se um time pequeno da capital paulista de repente contratasse Ronaldo Fenômeno… PERA AÍ!

Enfim, o “dojo” deles vence, Chuck Norris ensina Barry a sempre acreditar nos seus sonhos, blábláblá e o filme termina com uno bambino em cadeira de rodas admirado com uma revista com Chuck na capa que o Barry esqueceu no banco da praça.

O filme no geral é una porqueria, mas tem seus momentos bons. A idéia de os sonhos serem inspirados em filmes do Chuck Norris e a recriação de cenas desses filmes é molto buona! O que estraga é o humor “didi mocó” usado nessas cenas, o que tira lhes tutta graça.

“Você vai ter que usar uma arma e um mullet ridículo igual ao meu”
 

Didi Mocó feelings

 Em quase tutti sonhos de Barry há uma refém, que quase sempre é a professora orientale, mas no sonho inspirado em “Hitman” (em que Chuck e Barry usam um RIDÍCULO MULLET) a refém se transforma na Lauren por quem o ragazzo é apaixonado e ele tasca lhe um belo baccio (non disse que o bambino era etero?).

Devia ter aprendido karatê

Mas é só em sonho que ele se dá bem , pois em dado momento, quando se declara para ela, a ragazza solta um “Eu gosto de você…como amiga” VAFFANCULO, DANICA MCKELLAR! DEMOROU TANTO PARA ARRUMAR OTRO PAPEL E ACABA DANDO UMA DE WINNIE COOPER DE NUOVO! PORCA MISERIA!

“Então… eu gosto de você… você gosta de mim…”

“Barry, eu gosto de você…

… mas não desse jeito.”

“O quê?”

“É que os caras mexem com você…”

“Você tem pena de mim, é isso?”

“Preciso da tua pena não, tá!”

“Baaaaaaaaary!!!”

 O bambino fica tão abalado que acaba tendo una crise grave de asma e é salvo pela medicina orientale do vecchio, 174ª REFERÊNCIA AO “KARATE KID”! DIO MIO!

Para non dizerem que não há cosas buonas nesse filme, a direção de fotografia é do brasileiro João Fernandes que foi diretor de fotografia de “O diabo na pele de Miss Jones” e de vários filmes de ação do Chuck Norris. A abertura é fantástica. O IMDB non cita, mas deve ser una referência a “Octagon, gran filme de ninja de Chuck Norris (exceto que no filme originale a roupa de Norris era preta e não branca como noi mostra qui)

Sempre achei que o Neo e a Trinity deviam fazer isso em “Matrix”

 A otra é quando o vecchio orientale Mako finge que está “breaco” de saquê e dá una surra em unos motociclistas que querem arrasar com suo ristorante.




Ou quando ele resolve quebrar uno monte de tijolos usando avental (e pede mais uno tijolo!!!)

Il cabeludo de bigode é Bob Wall, que tomou molta porrada de Bruce Lee nos filmes

Em tutto caso podemos apontar uno culpado por este filme ser ruim: o seu diretor Aaron Norris, irmão mais novo de Chuck e SEU DUBLÊ. Sim, meus amicci, o homem que faz tutti “Chuck Norris facts” é o Aaron, non o Chuck! Enquanto o Chuck descansava, o irmão se ferrava nas cenas mais perigosas.

Quem dá a voadora é o Aaron Norris, não o Chuck. FONTE: Filmes para doidos

Por isso, Aaron resolveu dirigir um monte de filmes ruins e colocar seu irmão neles. Foi Aaron que cometeu os péssimos “Top Dog” (O “K9” de Chuck Norris. Taí algo que James Belushi fez antes dele), “Forrest Warrior” (um filme que o Chuck se transforma em animais, mia Nostra Signora!) e tutti porcaria que o Chuck estrelou desde então

“Você me mete em cada merda, hein!” – “A mãe sempre gostou mais de você!”

 É bom o Chuck ficar de olho no figlio dele, Eric Norris, que foi dublê nesse filme (e aparece como uno dos motociclistas que apanha do vecchio). Vai que ele resolve sacanear o pai igual fez o tio…

Cotação:
5/10 cabeças de cavalo – por causa das cenas de luta e das referências aos filmes do Chuck

Fontes:
www.imdb.com
http://filmesparadoidos.blogspot.com.br
http://celebslists.com
http://www.thebuzzmedia.com
http://www.chucknorrisfacts.com
https://twitter.com/chicobarney
http://vaitrabalhar.interbarney.com
http://peramblogando.blogspot.com.br
http://movielad-subdirectory.blogspot.com.br

Veja também:

(1994) “Pentathlon” – enfia a espada, anda a cavalo, corre, dá tiro e … nada!

“(1986) Retroceder Nunca… Render-se Jamais” – Mais feio que dançar com a Gretchen!

  

Advertisements