Existem filmes que mesmo non sendo bons, nós nos afeiçoamos a eles. Seja por causa do elenco, de alguna cena em especial, alguno detalhe curioso ou mesmo pela sua ruindade (que faz com que ele seja involuntariamente divertido). Esse é o caso de “Fuga para a vitória”. Se non fosse pela presença de Pelé  “atuando” ao lado de Michael Caine, Stallone e Max Von Sydow, ninguém daria a mínima por esse filme que, como filme de guerra, é uno excelente filme de futebol. Com certeza é o melhor filme feito pelo negão (o que non é nenhum mérito haja vista a ruindade dos otros).

Fugindo do Inferno + Golpe Baixo = Fuga para a vitória

O que pocca gente deve saber é que este filme foi baseado em una história real. Durante a guerra, o Dínamo, equipe da cidade ucraniana de Kiev se dissolveu e algunos de seus jogadores foram trabalhar em una padaria. Depois de uno tempo, foi formado uno novo time misturando padeiros e ex-jogadores do Dínamo. Esse time enfrentou e venceu una equipe da Força Áerea Alemã e essa vitória custou a vida dos jogadores, que foram executados pela Gestapo, polícia secreta dos nazistas .

Essa história inspirou o drama húngaro Két félidö a pokolban (“Two half times in hell”) sobre a ideia de oficiais nazistas de organizarem uno jogo de futebol contra uno time de prisioneiros de guerra no dia do aniversário do Hitler. O técnico dos prisioneiros se aproveita da situação e pede os melhores alojamentos e a melhor comida para seus atletas (todos participantes das Olimpíadas) para que joguem em pé de igualdade. O jogo torna-se una oportunidade de fuga para os atletas, mas eles são capturados pelos nazistas. O time decide jogar o seu melhor a fim de serem perdoados pelos alemães, mas são executados antes de conseguirem vencer a partida. Otro filme com essa temática é o soviético Tretiy taym (“Third time”).

Por fim, há quem diga que esse filme é una mistura de “Fugindo do Inferno” (filme com Steve McQueen e Charles Bronson com prisioneiros de guerra tentando escapar de campo de concentração nazista) com Golpe Baixo (filme com Burt Reynolds em que ele organiza uno time de futebol americano de prisioneiros para enfrentar o time dos guardas. Fizeram um remake com Adam Sandler).

Realmente o filme se parece com todos esses, mas tem personalidade própria, non pela presença de Pelé, de otros jogadores dos anni 70 e dos atores já citados, mas pelas situações que apresenta, divertidas de propósito ou non.

Neste filme de John Huston (pai da Angelica Huston, diretor de “O Falcão Maltês”) tudo começa quando uno time de prisioneiros de guerra deixa sua bola de futebol cair nos pés do oficial nazista Karl Von Steiner (Max Von Sydow o padre vecchio de “O Exorcista”). Ele dá unas embaixadinhas (uno dublê. Non acho que o Father Merrin seja bom de bola) e devolve a bola para Colby (Michael Caine, o Alfred da trilogia do “Cavaleiro das Trevas”) a quem reconhece. Ambos são ex-jogadores, Colby pela Inglaterra e Steiner pela Alemanha de 1938. O alemão se empolga e decide organizar una partida entre oficiais alemães e prisioneiros de guerra (tinha mais nada o que fazer mesmo…)

Surpreendentemente os comandantes nazistas concordam com a ideia (seria una oportunidade de auto-promoção) e marcam uno jogo para o estádio Colombes, em Paris (a França estava sob domínio nazista). Colby se aproveita da situação para pedir prisioneiros de otros lugares (que ele sabe que são bons jogadores), além de melhores alojamentos e melhor comida (igual ao filme húngaro).

Paralelo a isso, há uno grupo de prisioneiros que non gosta muito de futebol e fica planejando uno modo de escapar da prisão. Hatch (Sylvester Stallone, que emagreceu bastante para esse filme) formula uno plano engenhoso de como escapar durante o banho, ao mesmo tempo em que tenta um lugar no time de Colby (o que o ajudaria a escapar também), que o rejeita por ser americano e só saber jogar com as mãos e trombar com os adversários (como no futebol americano).

Colby consegue o que quer e vários craques são transferidos para lá, o que é desnecessário, pois o maior de todos já estava lá, Pelé, que na trama se chama Luis Fernandez e é de Trinidad Tobago (non poderia ser brasileiro porque os pracinhas da FEB foram lutar na Itália e o filme se passa na Inglaterra e na França). Non bastasse ser o melhor jogador em campo, Pelé ainda ficou com as melhores falas e é o ex-jogador que fica mais tempo em cena.

Depois de muito insistir, Hatch consegue una vaga no time como preparador físico, embora ele “brinque” muito no gol, sendo humilhado por Pelé, que lhe fala unas boas verdades.

No entanto ele non desiste de fugir. Consegue uno passaporte francês  e é orientado a procurar a Resistência Francesa para que ela ajude o time de futebol a fugir também. Chegando lá, os rebeldes pedem para que ele se deixe capturar e VOLTE para avisar o time que eles os ajudaram, DEPOIS DE O STALLONE TER LEVADO 1 ANO PLANEJANDO ESSA FUGA.

Para convencer os nazistas a aceitarem Hatch de volta, Colby afirma que o goleiro titular deles quebrou o braço e o único habilitado a pegar no gol é ele. A farsa é tão bem feita que o titular é obrigado a quebrar mesmo o braço para ser reprovado na perícia alemã.

No dia do giocco, os alemães mais parecem uruguaios de tanto que batem no time dos Aliados (cujo uniforme é branco, azul e vermelho, as cores do Reino Unido, da França e dos EUA). O juiz, que devia ser neutro, simplesmente non apita una falta para os prisioneiros, deixa uno alemão quebrar as costelas do Pelé, que sai de campo e ainda anula (no segundo tempo) uno gol do belga Michel Filieu (o jogador belga Paul Van Himst, craque do Anderlecht). Resultado, os Aliados vão para o intervalo perdendo de 4 a 1, sendo o gol de honra marcado pelo personagem do Bobby Moore, capitão da Inglaterra campeã da Copa do Mundo em 1966.

Vale a pena destacar a “pança” de Michael Caine jogando bola (ele é técnico e capitão do time). Me lembrou certo ex-jogador.

VECCHIO PANÇUDO!

Durante o intervalo surge a oportunidade de o time fugir pelos esgotos de Paris, porém, como os jogadores non querem ficar conhecidos como “aqueles que tomaram de 4 e non voltaram para o segundo tempo”, eles desistem da escapada e voltam a campo dispostos a virar o jogo (quisera aquele time argentino ter tido a mesma ideia).

Logo de cara, os alemães tomam uno gol do argentino Carlos Rey (Osvaldo Ardilles, que na época jogava no Tottenham. Defendeu também o Queens Park Rangers e a Seleção Argentina)

Não satisfeitos, os Aliados marcam dois e empatam a partida, com direito a uno gol magistral de Pelé de bicicleta (ele se empolga e resolve voltar a campo mesmo machucado)

O gol é tão bonito que o major Von Steiner se pega aplaudindo freneticamente seus adversários (lembra quando os soviéticos gritaram “Rocky! Rocky! Rocky!” no quarto filme da série?)

Os torcedores se empolgam também e cantam “La Marseillese” (hino nacional francês) e gritam “Victoire! Victoire! Victoire!”(deve ser traumatizante para uno torcedor do Bahia ouvir a torcida gritar “Vitória” para uno time de branco, vermelho e azul)

Após Hatch defender uno pênalti e garantir o empate, os torcedores invadem o campo e os prisioneiros aproveitam a confusão para fugir. Fim.

VAI CURÍNTIA!!!

Apesar de eu achar que o filme É do Pelé (tendo inclusive “coreografado” o jogo), Stallone botou na cabeça que era a estrela maior do filme. Sua arrogância fez com que ele non ouvisse os conselhos do fenomenal Gordon Banks (goleiro da Inglaterra nas copas de 1966 e 1970) de como cair sem se machucar e acabou deslocando o ombro e quebrando duas costelas, o que atrasou as filmagens.


Non bastasse isso, ele cismou que o gol de bicicleta DEVERIA SER MARCADO POR ELE (Nem Higuita seria tão audacioso). Depois de muito esforço em tentar explicar para o jumento que goleiros não fazem gols de bicicleta, foi escrita para ele a cena em que ele defende o pênalti faltando menos de um minuto para acabar a partida.

EXPULSA AS INVEJOZA!!!

Além do fato de ser aplaudido pelo adversário, há otras cenas de Stallone que fazem referência a “Rocky”, como a forma com que ele encara seu adversário na hora do pênalti, a trilha sonora criada por Bill Conti (o mesmo responsável pela trilha do filme mais famoso de Sly e autor de “Gonna Fly Now“) e mesmo seu par romântico no filme tem uno estilo que remete à Adrian, esposa do boxeador na série.

ADRIAAAAAAN!!!


Otra referência visual aparece na cena em que Pelé deixa o campo, que lembra muito una foto dele na mesma situação na Copa de 1966.

Enfim, só falta alguém inventar de fazer uno remake desse filme com Messi, Neymar, Vinnie Jones, Vin Diesel e cia. Non duvide de Hollywood!


Total de gols do Pelé: 1287 (a bicicleta e o gol no Stallone)

Cotação:


6/10 cabeças de cavalo – Melhor que torcer para o William José.

Fontes:  
Advertisements