Tags

, , , , , , , , , , , , , , , ,

O-Candidato-Honesto

Se há alguno mérito neste “O Candidato Honesto” é o de mostrar que non basta ter boas referências para fazer um filme bom (e atualmente non tem bastado mesmo). O filme é una mistura de “O mentiroso” com “Bulworth – Politicamente Correto” com una citação a “Cracking Up”e a “Oscar – Minha filha quer casar”, mas no entanto está longe de ter a mesma genialidade destas películas. E é você, espectador, que financia essa porra!

Antes de mais nada eu preciso fazer o papel de “Advogado do Diabo”(também uno exemplo de filme medíocre, apesar de ser estrelado por Al “Michael Corleone”Pacino). Non recebo grana ninguna para defender a Globo Filmes ou a Telecine Productions (eu bem que gostaria de cobrar proteção deles…), mas a verdade é que ninguém faz filme para non ser assistido.

 

Cláudio Assis usando uma camiseta do nosso blog, dada de presente pela galera do podcast "Toca o Terror"

Cláudio Assis, diretor de “Amarelo Manga”, usando uma camiseta do nosso blog, dada de presente pela galera do podcast “Toca o Terror”

Se existem a “globochanchada” (termo cunhado pelo cineasta Guilherme de Almeida Prado) é porque existe público para ela e o público dos Multiplexes, dos cinemas de shopping, que non são cinéfilos de carteirinha, gosta dela assim, com liçõezinhas de moral no fim (assim como as comédias americanas, sua maior inspiração), em que os heróis vencem pelo trabalho e non pela esperteza, como era no cinema brasileiro de antigamente.

20005752

Impensável hoje em dia.

E mesmo os filmes daquela época são lembrados com uno certo saudosismo, primeiro porque fizeram parte da infância e adolescência de quem tem mais de 30 anni, segundo pela tolerância maior com violência e nudez (como acontecia em otros locais do mundo, afinal tratava-se do cinema exploitation) e terceiro pelo espírito mais anárquico e criativo que tinham algunas dessas produções.

vera_fischer_super_femea

A “Mulher Invisível” daquela época

Mas analisando de una forma mais crítica, nem todos os filmes eram bons e algunos tinham unas piadas que ficaram bastante datadas, estilo “Praça é Nossa” e “Zorra Total”. Aliás o programa de Carlos Alberto de Nóbrega acabou servindo de reduto para algunas figuras daquela época como Ivan Miziarra (diretor de “O bem-dotado – O Homem de Itu”) e Canarinho (que estrelou vários filmes).

canarinho-a-praca-e-nossa

“You aaare so beautiful…to meeeee…”

E quanto a influência estrangeira, isso já era presente no cinema daquela época, é só lembrar de “Kung Fu contra as bonecas”, “Bacalhau”, “Os Trapalhões na Guerra dos Planetas” (todas obras do saudoso Adriano Stuart) “As Cangaceiras Eróticas” (mal comparando una versão tupiniquim dos filmes de Russ Meyer) ou “Escola Penal de Meninas Violentadas” (Woman In Prison misturado com nunsploitation, feito no Brazile).

bacs

“Podia se chamar Pirarucu” – Jota Bosco do podcast “Toca o Terror”

A diferença primordial era de que naquela época se praticava a “antropofagia cinematográfica”. Os filmes, de certa forma, parodiavam e subvertiam os modelos estrangeiros, acrescentando os aspectos regionais e produzindo uno cinema autenticamente nostro, em vez das globochanchadas, que se limitam a imitar, mimetizar o cinema americano (Una metáfora desse caráter antropofágico da cultura brasileira pode ser visto em “Como era gostoso o meu francês” de Nelson Pereira dos Santos, que inclusive inspirou o nome de uma sessão de cinema do Canal Brasil QUE É DAS ORGANIZAÇÕES GLOBO).

Vale lembrar que na natureza o mimetismo (quando uno organismo apresenta características que fazem com que consiga se confundir com o ambiente) é una estratégia de sobrevivência. Para saber mais, assista “Mutação”(Mimic) de Guillermo Del Toro.

 

Pois então, para sobreviver atualmente, o cinema brasileiro se sente na necessidade de mimetizar o cinema americano. Non podemos deixar de esquecer que os filmes antigos só existiam porque havia PÚBLICO para elas e a dinâmica de distribuição e exibição era muito diferente do que é hoje em dia. Os cinemas eram de rua e non de shopping e o público era menos “família” do que é hoje em dia, além do fato de que uno filme para adultos tinha recorde de bilheteria garantido, enquanto hoje em dia a preocupação é a de fazer uno filme com a classificação etária mais baixa para garantir uno público maior. Non consigo imaginar o público de hoje assistindo os filmes de antigamente (o saudoso Hugo Carvana tinha lançado faz pocco tempo uno filme com espírito de “pornochanchada” chamado “A Casa da Mãe Joana”, que ganhou una continuação).

Poster-do-filme-Casa-da-Mãe-Joana=2

No 3º filme Hugo Carvana e Zé Wilker serão os fantasmas (tomara que estejam vestidos pelo menos)

TÁ BOM! MAS E O FILME?

O filme é sobre João Ernesto Praxedes (Leandro Hassum) ex-motorista de ônibus, nascido em una família pobre e que ingressou na política depois de liderar uma mega greve de motoristas de ônibus após non ter sido indenizado pela empresa por ter perdido O MAMILO ESQUERDO EM UNO ACIDENTE. Quando era a Globo que satirizava o Lula ela era mais sutil.

É ieu? É ieu?

“É ieu? É ieu?”

Para non dizer que é algo particular com o barbudo ou com o PT (haja vista que o político foi pego com dinheiro na cueca), o partido dele tem uno pica-pau com símbolo (tucano?) e ele foi capa de uma revista chamada “Seja” como “O caçador de corruptos”.

O caçador de maracujás

O caçador de maracujás

Apesar das denúncias de corrupção, Praxedes vai ao segundo turno com vantagem sobre o segundo colocado, uno improvável candidato com uma pauta ecológica rastaquera. Porém em seu leito de morte, sua vó faz una mandinga para que seu neto non consiga mais mentir em una cena que consegue citar ao mesmo tempo “O Mentiroso” e a abertura de “Oscar – Minha filha quer casar”, em que uno moribundo Kirk Douglas bate na cara de Sylvester Stallone.

 

A bem da verdade, durante o filme Praxedes vai recebendo constantemente murros na cara dados por diferentes personagens, o que pode ser una referência a “Cracking Up” de Jerry Lewis em que una das esquetes consistia no personagem levando uno murro na cara toda vez que tenta acender uno cigarro.

SMORGASBORD - CRACKING UP  (15)

Mais eficiente do que adesivo

Non é a primeira vez que Leandro Hassum faz una cena que parodia este filme. Em “Os caras de pau” certa vez ele e seus colegas invadiram uno banco apenas para fazer um número musical na frente das câmeras de segurança, igual acontece em otra esquete do filme de Jerry.

 

Vale lembrar que Roberto Santucci, o diretor do filme, é fã de Lewis e conseguiu una participação do mesmo em seu filme anterior “Até que a sorte nos separe 2”, mas sabe de quem era o destaque na propaganda do filme? Anderson Silva! Mas será que se mostrassem Jerry Lewis o público filme iria saber de quem se trata?

ATÉ-QUE-A-SORTE-NOS-SEPARE-2-Official-Poster-Banner-PROMO-POSTER-28NOVEMBRO2013

“Esse Jerry Lewis luta o quê? Treina em que academia?”

Sem poder mentir, o personagem de Hassum vira uma mistura do Fletcher, personagem de Jim Carrey no filme já citado (inclusive tentando copiar as mesmas caretas e as gags visuais) com o Bulworth, personagem de Warren Beatty em “Politicamente Incorreto”, em que de uma hora para outra começa a falar a verdade, conquistando a simpatia de una jovem ativista interpretada por Halle Berry. No filme de Santucci, a “Halle Berry” é Amanda (Luiza Valdetaro), jornalista idealista que acredita em Praxedes.

200_s

cena-do-filme-o-candidato-honesto-1412183995932_956x500

jet’ aime… ohhhh!! uhhh!!!

O filme é tão similar a “O Mentiroso”, que tem até a cena do ataque de sinceridade pós-transa do personagem principal. A diferença (além das falas) é que no filme de Carrey a sua amante Miranda (Amanda Donahue) aparece de lingerie e no filme nacional, a amante de Praxedes, Carmen (Ellen Roche) aparece de sutiã e calça comprida (se fosse na época da pornochanchada apareceria com menos roupa).

063506

Vale lembrar que Leandro Hassum é PRODUTOR do filme.

liar_liar_12

A bem da verdade, o filme cumpre o seu papel primordial que é fazer rir, ainda que isso seja mais na primeira metade do filme, quando a preocupação é mais a de tirar sarro do que a de “salvar o Brasil” (com direito a discurso moralista de Leandro Hassum no final) e ainda sim por alguns momentos. Destaque para a paródia do programa de Ana Maria Braga (onde Praxedes começa a falar merda em rede nacional, com Júlia Rabello no papel da apresentadora), para o deputado evangélico Mateus Floriano (ahá!), interpretado por Luís Lobianco e principalmente, para a tentativa do personagem principal de roubar OS PRÓPRIOS FILHOS NO BANCO IMOBILIÁRIO!!!

cena-do-filme-o-candidato-honesto-1412183986773_956x500

“Acoooooorda menina!”

Destaque para as participações de algunos dos integrantes da Companhia de Comédia Melhores do Mundo, que são muito melhores no teatro do que no filme, conforme podemos conferir nos DVDs de “Notícias Populares” e “Hermanoteu na terra de Godah”

leandro-hassum-em-cena-do-filme-o-candidato-honesto-2014-de-roberto-santucci-1412116814588_956x500

Victor Leal do “Melhores do Mundo” pulando em cima do colchão de gelatina chamado Leandro Hassum

Enfim, se os eleitores são os grandes responsáveis pela eleição de políticos desonestos, podemos dizer que os espectadores são culpados pelas comédias caretas e moralistas que anda se produzindo por aqui, haja vista o seu sucesso de bilheteria. Cada público tem o Jim Carrey que merece.

editado1

Cotação

 

5/10 cabeças de cavalo – Melhor do que fazer campanha do segundo turno no Facebook

Advertisements