Tags

, , , ,

10690297_10202878756408458_2060183046320771436_n

Existem algunos gêneros no cinema que são bastante populares porém são menosprezados pela crítica e extremamente mal tratados pelos diretores de cinema atuais, a saber: comédia, terror e ação. Todos eles atualmente seguem fórmulinhas que já estão se desgastando. No caso do primeiro é só botar o Seth Rogen , o Jason Sudeikis e o Adam Sandler em tudo. No terror basta fazer uno torture porn ou una imitação de “Invocação do Mal”. E no último, basta abusar da câmera tremida, da edição picotada e da câmera lenta a lá Zack Snyder. É nesse momento que uno senhor de 70 anni como George Miller mostra que pode ser inovador sendo tradicional, abrindo mãos das invencionices em favor da quebra de paradigmas e de algunas costelas.

Quem assistiiu “Mad Max 2” deve ter notado que além do visual e do clima apocalíptico, que deu origem a inúmeros clones, o filme era lotado de cenas de perseguições de carros intercaladas por momentos entre a história se desenrolava a fim de que os espectadores pudessem respirar uno pocco (vale lembrar o que William Friedkin falou sobre perseguições e que foi reproduzido no Análise Indiscreta: “a perseguição é a forma mais pura de cinema, algo impossível de ser feito em qualquer outro meio, seja na literatura, num palco ou numa pintura em tela. Uma perseguição tem que parecer espontânea e fora de controle, mas precisa ser meticulosamente coreografada”.).

image

No nuovo filme, as “pausas” são bem menores e há poccos diálogos, o que non quer dizer que non há história, mas sim que, tirando una narração de Max logo no início, non há muitas falas expositivas durante o filme, ficando a cargo dos espectadores entenderem a história com base no que vem na tela (é o tal do “Show, don’t tell” que eu citei no texto sobre o último filme dos X-Men).

image

"The hills have eyes"

Se falta diálogo sobra ação. Conforme escreveu o Ronald Perrone do Demmentia 13 é como se pegassem os últimos 15 minutos do segundo filme e esticassem para duas horas, que simplesmente você não vê passar. A edição é rápida, mas na medida certa, e com menos picotes do que nos filmes de ação desso século, planos mais abertos em que você consegue ver os atores e atrizes brigando – ao contrário da briga entre Jet Li e Dolph Lundren no primeiro “Mercenários”– sem tanto “Zack Snyder slow motion” e “câmera com Mal de Parkinson”.

image

E o tal guitarrista com lança-chamas em uno trio elétrico acompanhado por uno Olodum albino nada mais é de que una prova de que Felipe Guerra non estava brincando quando comparou Mad Max com “Intrépidos Punks”, pois qual é a função dele na trama senão a mesma da banda que acompanha o estupro coletivo das esposas dos diretores do presídio no filme mexicano?

tumblr_noj1laidji1taww7ao1_1280

“Cara caramba cara caraô!”

Una grata surpresa do filme é o fato de que o vilão Immortan Joe é interpretado pelo Hugh Keays- Byrne, o mesmo ator que fez o Toecutter, líder da gangue de motoqueiros do primeiro filme. Como ele usa una máscara com respirador artificial, suas expressões são mais limitadas do que no primeiro filme, em que aparecia de cara limpa, no entanto esso valoriza mais o seu olhar tenebroso e engrandece a sua participação na obra.

10982412_10153317604541310_5398642543078349650_nNo filme ele comanda una cidade em que as pessoas mendigam água, batem panelas e querem passar com seus veículos por cima dos outros. Onde que eu já vi uno lugar parecido com este?

2qbyrgyvc8g50f7nvzvsz9e59

O mote da obra é a traição perpetrada pela sua imperatriz, Furiosa (Charlize Theron conseguindo ser sexy sem ser vulgar casca-grossa sem ser clichê) que foge levando várias escravas sexuais (dentre elas a filha do Lenny Kravitz e a Rosie Huntington-Whiteley da franquia “Transformers”) e cruza seu caminho com o do também fugitivo Max. Ele parte em companhia dos “Warboys”, guerreiros kamikazys de vida curta que acreditam que chegaram a Valhalla se morrerem em combate.

11-0d9e6

Inclusive os warboys se parecem muito com o Scroloose, personagem de “Princesa Xuxa e os Trapalhões” “Mad Max3: Além da Cúpula do Trovão”

Então o filme é feminista?

Antes de tudo é uno filme de ação a serviço do caos e da diversão, enquanto que em “As Bruxas de Eastwick” (que inclusive é do mesmo diretor), o poder feminino é o mote principal do filme e a razão pelo qual ele foi feito. Contudo é inegável que as personagens femininas aqui tem muito mais destaque e importância no filme do que em qualquer outro do gênero. Mesmo aquelas as quais você esperaria uma postura e una representação diferente, são emponderadas qui. Não a toa, a autora de “Os Monólogos da Vagina”, foi consultora no roteiro.

image

"Se cagou todo, baitola?"

E se non houvesse essa representação, o filme seria menos legal? Seria bem menos. Ainda seria uno baita filme de ação pelos motivos citados acima, mas non teria tanta repercussão quanto já teve, tampouco teria motivado uno texto emocionante como dessa menina qui ou uno texto irônico como esso qui.

image

"Esse dia foi foda!"

Ah, mas Hollywood coloca esses discursos com propósito mercadológico, para atrair mais público!

Então o australiano George Miller foi mais perspicaz do que os produtores americanos, pois personagens femininas fortes existem desde a época do cinema exploitation (o que non quer dizer que non houvesse objetificação feminina nessos filmes), porém non da forma que o vecchio George nos mostra. A propósito o próprio cinema exploitation surgiu para atender una demanda de público. Se o público de cinema quiser ver una representação diferente da mulher nos filmes, os produtores irão atrás disso. Não é nada pessoal, são apenas negócios. (hã, hã, hã? Pegou, pegou?)

image

Tão querendo que a gente grave o "Teste de Fidelidade" do João Kleber

Arriscaria até a dizer que o tal “ativista em defesa do machismo” que reclamou do filme foi pago pelo estúdio para fazer polêmica e promovê-lo. Non que o mesmo precise disso, mas é sabido o quanto que a publicidade negativa instiga as pessoas a verem uno filme (“Sharknado” que o diga).

image

Leatherface

Tão irônico quanto esso é saber que o diretor responsável pelo melhor filme de ação dos últimos tempos tem o dobro da idade de muitos diretores por aí (se bem que Sam Peckinpah fazia filmes sanguinários excelentes, mesmo já tendo dobrado o Cabo da Boa Esperança) e conseguiu produzir e roterizar uno filme com bicho falante que consegue non ser ruim. George Miller, talento da maturidade.

Cotação:

8,5/10 cabeças de cavalo – Melhor do que viver numa cidade em que o povo mendiga água, bate panela e quer passar com carro por cima dos outros

Advertisements