Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

vlcsnap-2016-06-20-18h53m01s117Já que o tempo de postar é pocco e o número de filmes assistidos é muito, resolvi tomar emprestada o formato do excelente Filmes para doidos e soltar algunas rapidinhas sobre o que vi da última postagem para cá. As críticas detalhadas voltarão em breve.

(2016) “Ave, César!” de Joel e Ethan Coen com George Clooney, Josh Brolin, Channing Tatum, Scarlet Johansson, Ralph Fiennes, Jonah Hill, Tilda Swinton, Frances McDormand, Wayne Knight;

Francesco-Francavilla-HAIL-CAESAR_1200_1800_81_sComédia de humor negro dos Coen ambientada na Hollywood pré-sexo, drogas e rock and roll, em que as preocupações dos produtores de cinema incluíam esconder os escândalos sexuais dos atores (ao contrário de hoje em dia) e combater os comunistas. Em una América idecentemente moralista, Eddie Mannix (produtor real interpretado por Josh Brolin), está produzindo uno “spin off da Bíblia” (estilo “O Manto Sagrado”) quando seu ator principal Baird Whitlock (George Clooney) desaparece misteriosamente. Como muitos filmes dos Coen é uno tanto anticlimático, o que pode decepcionar muita gente, sobretudo quem non está acostumado. Pode se dizer que primeira metade é mais engraçada que a segunda, sobretudo a cena da reunião com os religiosos e ponta do inesquecível Wayne Knight (o Newman de “Seinfeld”). Tentem também achar Christopher Lambert e Fisher Stevens (assessor do embaixador americano em “O que é isso companheiro”) no filme.

Confira algunas referências presentes no filme aqui.

uno otro filme qui que retrata essa época em que as pessoas na indústria do cinema tinham que se esconder, mas de una forma muito mais séria.

Cotação:

3/5 cabeças de cavalo – Melhor do que ter que viver no armário.

(2015) “Trumbo” de Jay Roach com Bryan Cranston, Diane Lane, Hellen Mirren, Louis C.K., John Goodman;

trumbo-bannerO mais assustador no filme non é saber que o tão proclamado “país da liberdade” perseguia profissionais simplesmente por conta de suas escolhas políticas, mas saber que ele continua atual. Basta ver que em determinado trecho se pretende fazer uno boicote a uno determinado filme, unicamente por conta da posição política de uno de seus realizadores, situação semelhante ao que vimos recentemente com uno filme nacional. A exemplo do filme citado acima, em “Trumbo” a fofoca exerce una função tão importante no cinema do pós-guerra que una das figuras centrais da caça aos comunistas em Hollywood é a Sônia Abrão daquela época, Hedda Hopper (Hellen Mirren), que inclusive inspirou as personagens de Tilda Swinton no filme de cima.

Ao contrário do que você pode pensar à primeira vista, nosso herói Dalton Trumbo non é uno ativista, mas sim alguém que seria chamado pelos radicais e pelos “coxinhas” de “esquerda caviar”, contudo, o seu bom relacionamento dentro de Hollywood, sua inteligência e sarcasmo e a disposição em deixar o orgulho de lado quando necessário serão suas armas para combater a discriminação sofrida na indústria do cinema.

Destaque para a incrível reconstituição de cenas de arquivo da época e para as interpretações de Diane Lane (a esposa de Trumbo), Ellen Fanning (a filha de Trumbo) e do próprio ator principal, Bryan Cranston, outro ator revelado em “Seinfeld” (muito antes de “Breaking Bad” ele cuidava dos dentes de Jerry) e que perdeu o Oscar de Melhor Ator para Leonardo DiCaprio. As cenas em que ele confronta a esposa ou a filha, bem como aquela em que diz unas verdades para John Wayne são primorosas. Aliás tanto o Wayne quanto o Kirk Douglas estão iguaizinhos aos reais.

Infelizmente o filme non dá destaque ao filme “Johnny vai à guerra” que inspirou a música “One” do Metallica, bem como o videoclipe, que tem cenas do filme.

Cotação:

4/5 cabeças de cavalo – Melhor do que ser boicotado por imbecis.

(2015) “Ele está de volta” de David Wnendt com Oliver Masucci, Fabián Busch, Franziska Wulf, Katja Riemann;

er-ist-wieder-da-posterOtro filme assustadoramente próximo da nossa realidade, em que uno idiota fica famoso através da TV dizendo que o país está una bosta porque nos rebaixamos ao nível dos imigrantes e dos gays. Só que o idiota em questão é Adolf Hitler e ninguém estranha o fato de ele andar livremente pela Alemanha, dizendo todo o tipo de barbaridades, ainda que se tratasse de uno ator trajado como ele, em outros tempos isso causaria vergonha e repulsa nos alemães, mas hoje em dia quase non se encontra quem tenha vivido aquela época e os mais jovens parecem concordar com ele, inclusive os “Felipes Netos” de lá, que postam vídeos sobre ele no YouTube.

A princípio, pode parecer uno novo “Borat”, o que nos traz dúvida sobre se as pessoas comuns non desconfiariam que se trata de uno filme, porém, o inconveniente aqui non seria o fato de ser uno filme, ou de o Hitler ser uno ator, mas como ele consegue convencer as pessoas de suas ideias estapafúrdicas.

O filme é baseado em uno livro de Timur Vermes e é bastante metalinguístico, pois dentro dele, o sucesso de Hitler dá origem a uno livro (e no lançamento deste no filme usaram cenas do lançamento real do livro) e uno filme dentro do filme. Há vários “falsos finais” dentro da obra e o final em definitivo parece ser “didático demais”, porém em tempos iguais aos nostros talvez seja preciso ser óbvio e pocco sutil.

Cotação:

4/5 cabeças de cavalo – Melhor do que discutir com bolsonarista.

(2015) “Spotlight” de Tom McCarthy com Mark Ruffalo, Rachel McAdams, Michael Keaton, Liev Schreiber, Stanley Tucci;

a01550048a37e136203661954f6d898aEm una época em que pessoas tentam relativizar casos de estupros contra mulheres e culpabilizar a vítima, sempre cabe ressaltar a vulnerabilidade dos bambinni, de ambos os sexos, e de como foi, por muito tempo, ignorados inúmeros casos de abuso sexual cometido por padres, na maioria das vezes em cima de órfãos ou figlios de famíglias desestruturadas, que non tinham muitas vezes a quem reclamar. Isso non aconteceu só em Boston, cidade onde se passa a história, mas também no resto do mundo, inclusive há 3 cidades brasileiras citadas no final do filme (a saber: Arapiraca, Mariana e Rio de Janeiro, imagine o quanto ficou de fora).

Vencedor do Oscar de Melhor Filme neste ano, talvez non seja de fato o melhor dos que disputaram o prêmio (non acho que chegue perto de seu “nonno“Todos os homens do presidente”), mas tem uno baita roteiro (Que lhe garantiu outro Oscar), trama interessante, ritmo bom e uno elenco que consegue conduzí-lo muito bem e talvez seja onde resida a força do filme. Destaque para Rachel McAdams, que você nem lembra de que já foi Regina George em otra encarnação, tamanha a credibilidade que ela passa a una personagem tão distinta da que lhe deixou famosa há unos 12 anni.

Cotação:

4/5 cabeças de cavalo – Melhor do que ser coroinha na igreja

(2016) “Desajustados” de Dagur Kári com Gunnar Jónsson, Ilmur Kristjánsdóttir, Franziska Una Dagsdóttir;

virgin-mountain-posterFilme dinamarquês desprezado pelas bandas de cá (foi estrear justamente na mesma época que “o filme das Marthas” e ficou pocco tempo em cartaz) foi muito bem recebido no Festival de Tribeca (voltado para filmes independentes) e tem una abordagem diferente do que teria no cinema americano. Fúsi é uno sujeito enorme de 43 anni, vítima de bullying no seu trabalho descarregando malas no aeroporto, que mora com a mamma e cujo único divertimento é reproduzir em miniatura batalhas da 2ª Guerra Mundial com uno amigo já casado e pai de família (o nome internacional do filme é “Virgin Mountain”).

Sua vida muda quando o namorado de sua mamma o matricula em uno curso de dança country em que conhece una ragazza com quem desenvolve una afeição especial, contudo ela também é una “desajustada”, como sugere o título nacional. Também há una bambinna de 9 anni que o auxilia na árdua tarefa de finalmente virar homem.

Como trata-se de uno filme europeu, cabe ressaltar que o ritmo é muito diferente de uno filme americano o que pode incomodar a maioria das pessoas, que non estão acostumadas com esso. Some-se a esso o fato de que o final é uno tanto anticimático e aberto, mas vale a pena conferir, especialmente se você gostou de “Lars e a garota ideal”, que tem temática e enredo parecidos.

Cotação:

3,5/5 cabeças de cavalo – Melhor do que montar maquete da Batalha de Stalingrado.

(2014) “As vozes” de Marjane Satrapi com Ryan Reynolds, Gemma Arterton, Anna Kendrick, Jacki Weaver;

Ryan Reynolds parece querer fazer parte de uno grupo seleto de atores como Steve Buscemi, Clint Howard, Robert Englund dentre otros que só fazem papel de caras esquisitos, com o diferencial de ser menos feio que o resto do grupo (George Clooney também parece querer ser incluído nessa categoria por conta de algunos papéis). Além de ter encarnado Deadpool por duas vezes (da primeira vez tava mais para Baraka do “Mortal Kombat” do que Deadpool), também já foi uno sujeito obeso que emagrece e vira mulherengo em “Apenas amigos” e neste qui é praticamente uno Norman Bates (repare na incrível semelhança física com Anthony Perkins. Ah se ele já fosse famoso na época daquele remake…) que conversa com bichos (todos dublados pelo mesmo).

Neste filme de Marjane Satrapi (famosa pela animação Persépolis) ele é uno esquizofrênico que deixa de tomar seus remédios para assim poder ouvir os conselhos de seus animais, o cachorro Bosco, gentil e centrado, e o gato Whiskers, maldoso e psicótico, bem no momento em que começa a se relacionar com suas colegas de trabalho, a inglesa Fiona (interpretada pela voluptuosa Gemma Arterton) e a local Lisa (interpretada pela gatinha Anna Kendrick, que lembra uno pocco a Jaqueline Brasil do Bom Dia SP) e tenta resistir aos impulsos assassinos atiçados pelo felino.

Cotação:

3/5 cabeças de cavalo – Melhor do que tomar fora das colegas de trabalho.

(1993) “Batman: A máscara do fantasma” de Bruce Timm e Eric Radomski com as vozes de Kevin Conroy, Mark Hammil, Dana Delany, Hart Bochner, Abe Vigoda;

3525802-tumblr_my1hipdxtp1qzvnpdo1_500

Lembram quando eu escrevi que as animações dos personagens da DC eram muito melhores do que os filmes? Sem exagero, talvez essa animação seja a segunda melhor adaptação do personagem para o meio audiovisual (adotando o segundo filme da trilogia do Nolan como a melhor). Além de ter uno estilo gótico próximo do desenho dos anni 90 e dos filmes do Tim Burton (os produtores foram os mesmos: Benjamin Ulniker e Michael Uslan), faz una ponte com o arco de histórias “Batman: Ano Um” (Frank Miller e David Mazzuchelli )e mostra uno vilão misterioso que vai fazendo vítimas entre os mafiosos de Gotham, seguindo uno tipo de padrão, bem como mostra uno pocco do passado de uno vilão clássico do Homem-Morcego. Vale lembrar que o filme foi lançado em 1993, 4 anni ANTES de “O longo dia das bruxas”, que tinha una proposta similar (só que ligada aos feriados americanos). Será que non foi daí que Jeph Loeb tirou a inspiração? O que se sabe é que tanto a HQ quanto a animação tem origem no “Ano Um”

Antes de ser uno filme do Batman, “A máscara do fantasma” é una história de amor trágica, com toque noir e que nos mostra uno Bruce Wayne que non costumamos ver: disposto a abandonar a promessa que fez a seus pais em troca de constituir una família (Isso é de alguma forma sugerido no derradeiro filme do Nolan. No final da HQ “O legado do demônio”, subentende-se una continuidade da família Wayne e em “O Cavaleiro das Trevas Ressurge” de Miller e Klaus Jansen, Wayne se aposenta, mas fica recluso) e é a presença dessa mulher, que pira a sua cabeça, que movimenta a trama que alterna entre o “ano um de Batman” quando a conhece e o presente, quando ela volta a Gotham. Vamos ver o que nos aguarda no filme de Affleck e na versão animada de “A Piada Mortal”.

Cotação:

4/5 cabeças de cavalo – Melhor do que ser filho da Martha.

(1969) “Monty Python’s Flying Circus – 1ª temporada” por Ian McNaughton com Terry Jones, Terry Gilliam, Graham Chapman, Eric Idle, John Cleese, Michael Palin, Carol Cleveland, Donna Reading, Rita Davies, Kathja Wyeth, Connie Booth;

Upper Class Twit of the year

Falar sobre Monty Python é chover no molhado. Vocês vão encontrar inúmeros textos melhores que os meus sobre o grupo. Só quero pontuar o quanto seus quadros parecem ao mesmo tempo atuais e distantes. Atuais no sentido de continuarem engraçados e inovadores. Distantes no sentido de que muita cosa non seria feita hoje por conta do politicamente correto (non, non sou cretino igual Danilo Gentili, que se esconde atrás da liberdade de expressão para ser racista, mas non vejo muita diferença entre “justiceiros sociais” e religiosos fundamentalistas).

Para mostrar o quanto a temporada é genial, deem una olhada em algunas esquetes: “A piada mais engraçada do mundo”, “O homem com 3 nádegas”, “O vendedor de colchões”, “Pablo Picasso de bicicleta”, “Arthur”Dois Galpões” Jackson”, “Isso é bobo demais”, “Como se defender de alguém armado com uma banana”, “A gangue das velhinhas”, “Canção do Lenhador”, “Olimpíada de Idiotas da Classe Alta”, “Albatroz”, “Entrevista de emprego idiota”, “Confunde-o-gato”, “Johann Gombulputty…”, “Sapo crocante”, “Hein, hein?”, “Sr. Hilter” dentre outras.

Cotação:

5/5 cabeças de cavalo – Melhor do que 1 ano de Danilo Gentili

Advertisements