Para quem non sabe, no próximo dia 21 estreará no Brasil o remake de “Robocop“, dirigido pelo brasiliano José Padilha. Ainda que muita gente pense em vê-lo – até por una questão de patriotismo – é difícil non encará-lo com una certa desconfiança por ser uno remake. Foram tantos remakes mal-feitos que é difícil non ficar desconfiado. Contudo existem algunos (poccos) remakes muito bons e é estes que iremos ver aqui (se eu esqueci de alguno COMENTEM  a respeito):

7 Homens e um destino (1960 de John Sturges)

Se tem alguém que contribuiu bastante para o cinema ocidental, mesmo tendo feito o grosso de sua carreira no Oriente, foi Akira Kurosawa. As refilmagens de seus clássicos feita no Ocidente deu origem a novos clássicos, com muita personalidade e que serviram de referência a tantos otros filmes. Uno deles é “7 Homens e um destino”, remake de “Os 7 samurais” e que deu origem a otras pérolas como “Los 3 amigos” com Steve Martin, Martin Short e Chevy Chase. No filme, uno grupo de 7 pistoleiros é chamado para proteger una vila da ameaça de perigosos bandidos. Contudo non foi o único filme de Kurosawa que ganhou versão com olhos abertos.

Por um punhado de dólares (1964 de Sérgio Leone)

Este clássico estrelado por Clint Eastwood é inspirado em “Yojimbo”, que por sua vez é inspirado no livro “Red Harvest” de Dashiell Harmett, escrito em 1929, que inspirou diversos otros filmes como “O Último Matador” e “Ajuste Final”. O enredo é o seguinte: uno pistoleiro que coloca duas famílias rivais em una batalha sangrenta una contra a otra. Como originalmente, nem Kurosawa nem os otros roteiristas de Yojimbo foram creditados, eles entraram com uno processo, ganharam e lucraram muito mais com o filme de Leone do que com o próprio.

Scarface (1983 de Brian DePalma)


Howard Hawks é otro que fez filmes ótimos que deram origem a remakes excelentes. Uno deles é “Scarface – A vergonha de uma nação”, dirigido e escrito por ele e que seria inspirado em Al Capone (que assim como o Tony Camonte do filme teria una relação incestuosa com a irmã). A versão de Brian de Palma tem roteiro de Oliver Stone e é bem mais violento e sanguinolento que o original e deu a Al Pacino mais uno papel memorável à sua galeria (Michael Corleone, Serpico, Sonny Wortzik…). Além desta, otra obra escrita por Howard Hawks ganhou uno remake memorável…

Enigma de outro mundo (1982 de John Carpenter)

Fantástico filme de terror que consegue ser bem melhor que o original feito nos anni 50. Ficou memorável pela cena do “ferro de solda” e por ser uno dos poccos filmes americanos que non possui una mulher no elenco. Infelizmente foi lançado pocco depois de E.T. e acabou non fazendo muito sucesso (as pessoas estavam preferindo aliens “fofos” na época). Ganhou recentemente uno “prequel” com cara de remake, que desta vez tem una mulher: Mary Elisabeth Winstead, a Ramona de “Scott Pilgrim contra o Mundo”, que também fez o remake de “Black Christmas”. O filme original é da RKO Studio, que também produziu otro filme que ganhou remake na mesma época.

A Marca da Pantera (1982 de Paul Schrader)

Remake de “Sangue de Pantera”, que assim como “Scarface” também tem pocco a ver com o filme original, tem muito a cara da década em que foi feito (anni 80) e traz performances impressionantes de seus atores principais (Al Pacino em Scarface e Natassja Kinski neste). A mesma época saíram 3 filmes de lobisomem (apesar de aqui, as pessoas se transformam em panteras e non em lobos): “Um lobisomem americano em Londres”, “Gritos de Horror” e “Lobos”. A música tema do filme, interpretada por David Bowie, aparece também na trilha sonora de “Bastardos Inglórios”, filme de Tarantino que, a princípio, contaria com Natassja no elenco. Malcolm McDowell e Annette O’Toole também figuram neste remake.

A Bolha Assassina (1988 de Chuck Russell)

Clássico do “Cinema em Casa” do SBT, acabou ficando mais famoso que o filme original, uno sci-fi dos anni 50 que tinha Steve McQueen no elenco. Assim como em “A Coisa” de 1985, otro clássico do SBT, aqui também temos uno organismo alienígena que consome as pessoas, só que neste “A Bolha”, o consumo é literal, pois a bolha “engole” as pessoas a sua volta e vai ficando cada vez maior. O diretor deste filme também fez “A Hora do Pesadelo III – Os Guerreiros dos Sonhos”, mas ficou mais famoso por “O Máscara”.

A mosca (1986 de David Cronnemberg)


Otro remake de filme de ficção científica dos anni 50. Desta vez de “A mosca da cabeça branca” com Vincent Price. Na versão oitentista fica muito mais evidente a transformação psicológica que acompanha a transformação física do cientista, que tem seu experimento de teletransporte arruinado quando una mosca entra em sua cabine durante una demonstração, fazendo com que ele sofra una mutação e vire una mistura de inseto e gente. Com Geena Davis e Jeff Goldblum.

Invasores de corpos (1978 de Philip Kaufman)

Foi o filme que deu início a série de remakes de sci-fis cinquentistas que, ao lado dos slashers, dominariam os anni 80. Assim como no original de Don Siegel, aqui também nós temos alienígenas que substituem as pessoas por versões suas sem personalidade, só que desta sem referências à ameaça comunista. Com Donald Sutherland.

O Sobrevivente (1987 de Paul Michael Glaser)

Conforme foi escrito neste post, trata-se de uno remake de uno filme franco-iugoslavo, que por sua vez é remake de otro alemão, mais antigo, além de ser inspirado em uno conto que inspira até hoje inúmeros filmes de “Sobrevivendo ao Jogo” até “O Peste“. Ao lado de “Jogo Bruto” é uno daqueles filmes pocco cultuados de Schwarzenegger feitos entre o intervalo de “Exterminador do Futuro” e “Predador”, contudo non deixa de ser uno baita filme, mais atual do que nunca em uno mundo rodeado de reality shows e cosas do tipo.

A Noite dos Mortos Vivos (1990 de Tom Savini)

O clássico de George Andrew Romero sendo refeito por alguém de confiança do diretor e que tem respeito pela obra (ao contrário de unos farabuttos aí que lançaram até remake em 3D…). Apesar de ter feito algunas mudanças (para quem viu os filmes, a versão de Romero é “Obama” e a de Tom Savini é “Hilary”), é o remake de filme de Romero que melhor faz jus ao original, além de ser em cores, com una qualidade de imagem melhor e contar com una maquiagem primorosa (Tom Savini sempre foi maquiador, antes de ser diretor). Veio na carona de filmes como “A Volta dos Mortos-Vivos” de Dan O’Bannon e “A Maldição dos Mortos-Vivos” de Wes Craven.

Dragão Vermelho (2002 de Brett Ratner)


“Como assim? Dragão Vermelho é remake?” Cinco anni antes de Jonathan Demme fazer “O Silêncio dos Inocentes”, Michael Mann já havia adaptado o livro “Dragão Vermelho” de Thomas Harris como “Manhunter” e escalado William Petersen (o Grinsom de “CSI: Las Vegas”) para o papel de Will Graham, que no remake foi de Edward Norton, Tom Noonan  como Francis Dollarhyde e Brian Cox para o papel do Dr. Hannibal LECKTOR (erraram o nome do ragazzo), que depois seria de Anthony Hopkins. Era para o filme se chamar Dragão Vermelho também, mas como “O Ano do Dragão” foi uno fiasco de bilheteria, Michael Mann optou por usar otro nome para o filme (e também para non acharem que é uno filme de kung fu…). Também achou que a tatuagem nas costas de Dollarhyde ficaria “exagerada” (ponto pro remake). Por falar em Michael Mann…

Fogo contra Fogo (1995 de Michael Mann)

Originalmente, o filme “L.A. Takedown”, de 1989,  era para ser uno piloto de una série de TV passada em Los Angeles (Michael Mann era o produtor executivo de una série de TV passada em Miami “Miami Vice”), mas non deu certo. Seis anni depois Mann refez o filme com Al Pacino no papel de Vincent Hanna, que já tinha sido feito por Scott Plank no original e Robert “mio Padrino quando jovem”DeNiro como Neil McCauley (o vilão do filme original era Patrick McLaren interpretado por Alex McArthur). Era o primeiro filme em que Pacino e DeNiro contracenavam em cena (em “Poderoso Chefão II” eles apareciam em épocas diferentes), o que por si só dá uno toque todo especial à película. E por falar em diretor que refez o próprio filme…

O homem que sabia demais (1956 de Alfred Hitchcock)

Certa vez, Hitchcock disse a Truffaut que a versão de 1934 deste filme era uno trabalho de amador e esta, de 1956, era trabalho de uno profissional. Contudo ele preferia a versão antiga por ser menos requintada. Ainda assim, o filme de 56 vale muito a pena ser conferido. Além de apresentar mudanças com relação ao roteiro original, enquanto a história original se passa na Suíça, esta se passa no Marrocos, onde uno casal que presencia o assassinato de uno homem, que cochicha algo para o marido e tem o filho sequestrado. OscarTM de melhor canção para “Que sera sera” cantado por Doris Day.

Cabo do medo (1991 de Martin Scorsese)

Antes de ganhar uno Oscar com uno remake (“Os infiltrados” é remake de “Internal Affairs”), Martin Scorsese já havia feito otro que merecia ser premiado. Versão do filme “Círculo do medo” com Gregory Peck e Robert Mitchun (que fazem participações especiais na versão mais nova), mostra DeNiro como uno dos piores psicopatas do cinema. Max Cady (Mitchum na prineira versão) sai da cadeia depois de 14 anni e resolve infernizar a vida de seu advogado (Nick Nolte reprisando papel de Gregory Peck) a quem culpa por non ser absolvido. Inspirou uno episódio inteiro dos Simpsons.

True Lies (1994 de James Cameron)


“O quê? True Lies é remake”? Por incrível que pareça, o filme de James Cameron é remake de una COMÉDIA francesa chamada “La Totale!” em que também temos uno marido escondendo da esposa que é uno agente secreto enquanto ela se encontra com uno homem que finge ser uno agente secreto. Para mim, é o último grande filme de James Cameron (non considero “Titanic” e “Avatar”). Com Schwarzenegger e Jamie Lee Curtis.

Comboio do Medo (1977 de William Friedkin)


Remake de “Salário do medo” de Henri-George Clouzot, o “Hitchcock francês” como diziam algunos. Trata-se de uno teste de força, uno embate contra a natureza inóspita. Uno grupo de excluídos, cada uno por una razão diferente, aceitam transportar uno caminhão carregado de nitroglicerina (qualquer batidinha explode) pelas florestas da América do Sul em troca de uno bom pagamento que garanta a cada uno una vida nova longe dali.  Infelizmente, Friedkin quase sempre tem problemas para distribuir seus filmes (Hollywood o acha muito subversivo). No caso deste aqui, ele deu azar de o filme estrear uno mês depois de uno grande sucesso de bilheteria…

O “quase remake”

Guerra nas Estrelas (1977 de George Lucas)

Como assim Guerra nas Estrelas é remake?”, una das inspirações de George Lucas para escrever sua história foi “A Fortaleza Escondida” uno filme de 1958, dirigido por Akira Kurosawa (DE NOVO ELE), em que dois camponeses (Tahei e Matashichi/C3PO e R2D2) escoltam a princesa (Yuki/Leia) e seu general (Rokurota Makabe/Han Solo/Luke Skywalker) pelas linhas inimigas. Além dessa, há otras referências a otros clássicos como o pessoal do podcast Toca o Terror apontou no especial sobre Frankenstein . Veja otras referências presentes em Star Wars aqui.

Fontes:

www.imdb.com
www.tumblr.com
http://blogtocaoterror.wordpress.com/2014/01/15/podcast-ep-23-2a-temporada-frankenstein/
http://25.media.tumblr.com/tumblr_lgee20NxcD1qgpx6mo1_500.jpg

Advertisements